IGNÁCIO PEDE A CRIAÇÃO DE UMA COMISSÃO PARA ACOMPANHAR APLICAÇÃO DE RECURSOS DAS UNIVERSIDADES

Moção de repúdio ou protesto rejeitada em votação simbólica na Câmara Municipal de Curitiba, gerou debate em plenário sobre investimentos na educação pública brasileira, em especial no Ensino Superior. De iniciativa da Professora Josete (PT), o requerimento (060.00002.2019) criticava o corte de R$ 48 milhões do orçamento de 2019 da Universidade Federal do Paraná (UFPR), anunciado pelo Ministério da Educação (MEC). O valor bloqueado equivale a 30% das verbas destinadas à instituição, que em nota à comunidade, criticou a medida.

A primeira crítica à moção partiu de Mauro Ignácio, para quem “o PT já vinha reduzindo o orçamento”. Ele propôs um trabalho conjunto com os deputados estaduais: “Temos que ter informação sobre a aplicação do orçamento das universidades. Não tem que ser repudiado, e sim buscar mais informações”. O vereador ponderou que grande parte das verbas são destinadas às folhas de pagamento. “Ninguém quer sucatear a universidade federal”, completou, defendendo “ações proativas”, como as reformas da Previdência e tributária.

“Em vez de repúdio e discursos fantasiosos, devemos ter ação prática, e por isso sugeri uma comissão composta por vereadores e deputados para debater o orçamento e os investimentos feito na UFPR. Nosso apoio as Universidades Federais passa por conhecimento da situação e da realidade que o país vive neste momento”, concluiu o parlamentar.

Assista na íntegra o posicionamento de Mauro Ignácio: